Publicação em destaque

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Aniversário de Eugénio de Andrade

Eugénio de Andrade (n. 19-01-1923 ― m. 13/06/2005), pseudónimo de José Frontinhas Neto, nasceu na Póvoa de Atalaia, pequena aldeia da Beira Baixa. Em Lisboa, onde fez os seus estudos liceais, descobriu a vocação poética, tendo publicado, em 1940,  Narciso, o seu primeiro volume de poemas. A este se seguiram cerca de meia centena de volumes de poesia e prosa. Exerceu  durante trinta e cinco anos funções de inspector administrativo do Ministério da Saúde. A partir de 1950 e por razões de serviço passou a residir no Porto, cidade que adoptou desde então para viver e da qual foi cidadão honorário e onde viria a morrer aos 82 anos.
Poeta consagrado, um dos mais importantes do século XX português ― internacionalmente reconhecido e premiado ― não se limitou, porém, à poesia, tendo escrito ensaios, livros infantis, organizado e prefaciado inúmeras antologias e traduzido para português obras vários escritores estrangeiros, nomeadamente,  Frederico Garcia Lorca, José Luís Borges e René Char.  Também colaborou em numerosas publicações, com destaque para Cadernos de Literatura Colóquio e Colóquio-LetrasMundo Literário, Vértice  e Seara Nova.
Em Portugal, para além do Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores, do Prémio de Poesia do Pen Clube Português, e outros, Eugénio de Andrade teve a sua vida literária, de mais de sessenta anos, reconhecida, em 2001, com o Prémio Camões, o mais importante galardão atribuído a autores de língua portuguesa. 

Também no estrangeiro, recebeu a Medalha da cidade de Bordéus e a Medalha da Universidade Michel de Montagne da mesma cidade. Foi membro da Academia Mallarmé (Paris), membro fundador da Academia Internacional ‘Mihai Eminescu’ (Roménia) e da Academia Mondiale della Poesia.
O poeta da luz meridional e da terra, dos corpos e do desejo, da cal e do lume foi ainda agraciado pelo Governo português com o Grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Santiago da Espada e a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.

 Maria Teresa Sampaio
Eugénio de Andrade por Carlos Carneiro

Urgentemente

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer

Eugénio de Andrade
In Até Amanhã
..........................................
Foi para ti que criei as rosas

Foi para ti que criei as rosas.
Foi para ti que lhes dei perfume.
Para ti rãs rasguei ribeiros
e dei às romãs a cor do lume.

Foi para ti que pus no céu a lua
e o verde mais verde nos pinhais.
Foi para ti que deitei no chão
Um corpo aberto como os animais
  
Eugénio de Andrade
In As Mãos e os Frutos
..........................................
Juventude

Sim, eu conheço, eu amo ainda
esse rumor abrindo, luz molhada,
rosa branca. Não, não é solidão,
nem frio, nem boca aprisionada.
Não é pedra nem espessura.
É juventude. Juventude ou claridade.
É um azul puríssimo, propagado,
isento de peso e crueldade.

Eugénio de Andrade
In Até Amanhã 
.........................................
Procuro-te
              
Procuro a ternura súbita,
os olhos ou o sol por nascer
do tamanho do mundo,
o sangue que nenhuma espada viu,
o ar onde a respiração é doce,
um pássaro no bosque
com a forma de um grito de alegria.

Oh, a carícia da terra,
a juventude suspensa,
a fugidia voz da água entre o azul
do prado e de um corpo estendido.

Procuro-te: fruto ou nuvem ou música.
Chamo por ti, e o teu nome ilumina
as coisas mais simples:
o pão e a água,
a cama e a mesa,
os pequenos e dóceis animais,
onde também quero que chegue
o meu canto e a manhã de maio.

Um pássaro e um navio são a mesma coisa
quando te procuro de rosto cravado na luz.
Eu sei que há diferenças
mas não quando se ama,
não quando apertamos contra o peito
uma flor ávida de orvalho.

Ter só dedos e dentes é muito triste:
dedos para amortalhar crianças,
dentes para roer a solidão,
enquanto o verão pinta de azul o céu
e o mar é devassado pelas estrelas.

Porém eu procuro-te.
antes que a morte se aproxime, procuro-te.
Nas ruas, nos barcos, na cama,
com amor, com ódio, ao sol, à chuva,
de noite, de dia, triste, alegre – procuro-te.

Eugénio de Andrade
In As Palavras Interditas






terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Os Loucos da Rua Mazur

Mais do que um livro que se insere na temática da II Guerra Mundial, mais do que um romance de amor, de ciúme e de traição que tem o antissemitismo como pano de fundo, esta obra de João Pinto Coelho, que ganhou, com toda a justiça, o Prémio Leya 2017, fica certamente como um marco na literatura  portuguesa, pela mestria na abordagem de acontecimentos tão trágicos como incómodos quer para os cristãos em particular quer, de um modo geral, para qualquer pessoa que preze os direitos humanos e o valor universal  da dignidade da vida. 
Em nota do autor, ficamos a saber que a história do livro, embora ficcionada, se baseia nos acontecimentos históricos ocorridos no dia 10 de julho de 1941, na pequena cidade de Jedwabne, no nordeste da Polónia, onde “um grupo de cidadãos, na sua maioria cristãos, reuniram à força os seus vizinhos judeus na praça principal e, num festim de violência, conduziram-nos até um celeiro próximo que incendiaram, queimando vivas centenas de pessoas, incluindo muitas crianças.”
A delicadeza do tema não assustou João Pinto Coelho que, já no seu primeiro romance, “Perguntem a Sarah Gross”, se tinha ocupado do holocausto. Embora a questão dos perpetradores esteja presente em ambos, é no segundo que mais me parece evidente. São pessoas comuns, como qualquer um de nós, que estão na origem desse mal radical, universal, que transforma qualquer ser humano em carrasco do outro. Falo na primeira pessoa do plural, exatamente porque penso que ninguém se pode autoexcluir à priori, na ilusão de uma superioridade moral, que apenas no confronto com circunstâncias extremas e muito particulares pode ser comprovada. Aqui, é a comunidade cristã, vizinha secular, da judaica que, num “ápice”, (o tempo medido tragicamente) comete os crimes mais hediondos, contra esta última, com a qual diariamente convivia.
Este é um espantoso romance, magistralmente escrito a dois tempos, (o passado, da guerra, e o presente) em espaços geograficamente tão diversos, como a Polónia, a Rússia, a Itália e a França, com recursos estilísticos pouco comuns na nossa literatura recente, um domínio perfeito da língua portuguesa, da ironia e da poética, que me fizeram, frequentemente, voltar atrás e reler, pelo puro prazer da leitura. Tudo é extremamente cuidado e burilado. A vívida caracterização das personagens dá-nos uma paleta colorida de vultos humanos, recortados em luzes e sombras, que não se limita aos três principais: um judeu cego, um cristão e a filha de uma cigana considerada bruxa.
Os sentimentos e as emoções são traduzidos sobriamente, numa linguagem  poética, de inegável beleza, particularmente quando tocam o amor. Quase se sente um certo pudor na sua transmissão. A bonita amizade que une Yankel, judeu, Erik, cristão, e a cigana Shionka, que perdeu a voz na infância, parece indissolúvel, desde que travam conhecimento, ainda meninos, mas à medida que o tempo passa naquela cidadezinha perdida no nordeste da Polónia ocupada, surgem o amor e, com ele, a rivalidade, o ciúme, a traição e a mentira. Até àquele dia fatídico em que homens vulgares, normalmente insuspeitos, honrados, “tidos por pacatos”, frequentadores da igreja perdem toda a humanidade e se transformam em bestas.
É para essa realidade, de tal forma excessiva que se torna quase inenarrável, que João Pinto Coelho encaminha progressivamente o leitor. A narrativa, já de si cinematográfica, desde o início, adquire um ritmo acelerado, deixa-nos suspensos do momento seguinte. João Pinto Coelho tem essa proficiência, essa capacidade de nos surpreender sendo, não obstante, enigmático. Vai tecendo a filigrana da história numa tensão em crescendo até ao clímax do drama, quando todos os judeus são encaminhados para o manicómio, onde se consumará toda a loucura.
Furtando-se à arrogância intelectual, não formula juízos de valor. Não precisa.  Os factos excedem tudo o que se poderia esperar. São descritos com crueza, sem apelo nem agravo, sem sobrecarga de adjetivos num capítulo. O pathos lhe basta. Porque o sabe criar de forma exímia. Podemos transbordar em lágrimas, ser forçados a parar, pela intensidade da emoção, mas voltamos pouco depois com a mesma ânsia de tudo ler até ao fim. Porque existem exceções entre a maior desumanidade: o padre Kazimierz e as irmãs franciscanas de um mosteiro polaco.
No final, são os laços de amizade entre os três sobreviventes que perduram até à contemporaneidade em Paris e é o amor que surge como esperança e redenção, ainda que à beira do fim dos seus dias.

Inevitavelmente, pelo menos para mim, fui levada a “recordar” a histórica “matança da Páscoa”, que ocorreu em Lisboa, em Abril de 1506. Segundo Garcia de Resende e conforme reportado por Damião de Góis uma multidão de cristãos, instigada por frades dominicanos, torturou, massacrou e queimou vivos, em fogueiras improvisadas no Rossio, mais de quatro mil judeus. Seguiu-se a Inquisição que duraria de 1580 a 1821 em Portugal.
O antissemitismo, a crendice, o ódio mais irracional não têm, infelizmente, idade nem localização geográfica delimitada. O ser humano é capaz do melhor e do pior. É essa humanidade extrema, esse “humano, demasiado humano”, que João Pinto Coelho foi capaz mostrar numa obra maior.
  
2018-01-16
Maria Teresa Sampaio

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Aniversário de Martin Martin Luther King Jr.

[Atlanta, 15 de janeiro de 1929 — Memphis, 4 de abril de 1968]

Não poderia deixar de assinalar o aniversário deste homem excecional ― ativista pelos direitos civis dos negros nos EUA e no mundo ― lutador incansável pelos direitos humanos, numa época de feroz segregação racial, à qual respondia com a desobediência civil, liderando protestos e marchas, sempre praticando a não violência.  O seu  exemplo, a sua luta também contra a pobreza e a guerra no Vietname tornaram-no um líder universalmente admirado e respeitado. Em 1964 foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Paz, mas esta honra e reconhecimento internacionais não impediram que o ódio segregacionista no seu país fosse avante e a 4 de abril de 1968 foi brutalmente assassinado em Menphis. Aos 39 anos de idade morria o homem, mas não as suas ideias e exemplo.
Lamentavelmente os EUA têm hoje um presidente racista, que parece nada ter aprendido com a história. Que os justos e lúcidos do seu país o impeçam de continuar.

Maria Teresa Sampaio
……………………....

Discurso de Martin Luther King, Jr. em Washington, D.C., a 28 de Agosto de 1963, após a «Marcha para Washington por Emprego e Liberdade», perante mais de 250.000 pessoas de todas as etnias.

“A manifestação foi pensada como uma maneira de divulgar de uma forma dramática as condições de vida desesperadas dos negros no Sul dos Estados Unidos, e exigir ao poder federal um maior comprometimento na segurança física dos negros e dos defensores dos direitos civis, sobretudo no Sul. Foram então apresentadas reivindicações óbvias: o fim da segregação no ensino público, legislação clara no que respeita aos direitos civis, assim como de legislação proibindo a discriminação racial no emprego; o fim da brutalidade policial contra militantes dos direitos civis e a criação de um salário mínimo para todos os trabalhadores.
Realizada num clima muito tenso, a manifestação foi um estrondoso sucesso, e o discurso conhecido sobretudo pela frase permanentemente repetida no meio do discurso «I have a Dream» (Eu tenho um sonho), mas também pela frase que é repetida no fim - «That Liberty Ring» (Que a Liberdade ressoe), que retoma o poema patriótico «América», tornou-se, com o discurso de Lincoln em Gettysburg, um dos mais importantes da oratória americana.

Em 1964 a Lei dos Direitos Civis foi votada e promulgada por Lyndon B. Johnson e em 1965 a Lei sobre o Direito de Votar foi aprovada.

«EU  TENHO UM SONHO»

Há cem anos, um grande americano, sob cuja sombra simbólica nos encontramos, assinava a Proclamação da Independência. Essa lei fundamental foi como um raio de luz de esperança para milhões de escravos negros que tinham sido marcados a ferro nas chamas de uma vergonhosa injustiça. Veio como uma aurora feliz para terminar a longa noite do cativeiro. Mas, cem anos mais tarde, devemos enfrentar a realidade trágica de que o Negro ainda não é livre.

Cem anos mais tarde, a vida do Negro é ainda lamentavelmente dilacerada pelas algemas da segregação e pelas correntes da discriminação. Cem anos mais tarde, o Negro continua a viver numa ilha isolada de pobreza, no meio de um vasto oceano de prosperidade material. Cem anos mais tarde, o Negro ainda definha nas margens da sociedade americana, exilado na sua própria terra.

Por isso, encontramo-nos aqui hoje para dramaticamente mostrarmos esta extraordinária situação. Num certo sentido, viemos à capital do nosso país para descontar um cheque. Quando os arquitetos da nossa república escreveram as magníficas palavras da Constituição e da Declaração de Independência, estavam a assinar uma promissória de que cada cidadão americano se tornaria herdeiro.

Este documento era uma promessa de que todos os homens veriam garantidos os direitos inalienáveis à vida, à liberdade e à busca de felicidade. É óbvio que a América ainda hoje não pagou tal promissória no que concerne aos seus cidadãos de cor. Em vez de honrar este compromisso sagrado, a América deu ao Negro um cheque sem cobertura; um cheque que foi devolvido com a seguinte inscrição: "saldo insuficiente". Porém nós recusamo-nos a aceitar a ideia de que o banco da justiça esteja falido. Recusamo-nos a acreditar que não exista dinheiro suficiente nos grandes cofres de oportunidades deste país.

Por isso viemos aqui cobrar este cheque - um cheque que nos dará, quando o recebermos, as riquezas da liberdade e a segurança da justiça. Também viemos a este lugar sagrado para lembrar à América a clara urgência do agora. Não é o momento de nos  darmos alo luxo de adiar nem de tomar a pílula tranquilizante do gradualismo. Agora é tempo de tornar reais as promessas da Democracia. Agora é tempo de sairmos do vale escuro e desolado da segregação para o iluminado caminho da justiça racial. Agora é tempo de abrir as portas da oportunidade para todos os filhos de Deus. Agora é tempo de retirar o nosso país das areias movediças da injustiça racial para a rocha sólida da fraternidade.

Seria fatal para a nação não levar a sério a urgência do momento e subestimar a determinação do Negro. Este sufocante verão de legítimo descontentamento do Negro não passará até que chegue o revigorante outono da liberdade e igualdade. 1963 não é um fim, mas um começo. Aqueles que crêem que o Negro precisava só de desabafar, e que a partir de agora ficará sossegado, irão acordar sobressaltados se o País regressar à sua vida de sempre. Não haverá tranquilidade nem descanso na América até que o Negro tenha garantido todos os seus direitos de cidadania.

Os turbilhões da revolta continuarão a sacudir as fundações do nosso País até que desponte o luminoso dia da justiça. Existe algo, porém, que devo dizer ao meu povo que se encontra no caloroso limiar que conduz ao palácio da justiça. No percurso para ganharmos o nosso legítimo lugar não devemos ser culpados de actos errados. Não tentemos satisfazer a sede de liberdade bebendo da taça da amargura e do ódio.

Temos de conduzir a nossa luta sempre no nível elevado da dignidade e disciplina. Não devemos deixar que o nosso protesto realizado de uma forma criativa degenere em violência física. Teremos de nos erguer uma e outra vez às alturas majestosas para enfrentar a força física com a força da consciência.

Esta maravilhosa nova militância que envolveu a comunidade negra não nos deve levar a desconfiar de todas as pessoas brancas, pois muitos dos nossos irmãos brancos, como é claro pela sua presença aqui, hoje, estão conscientes de que os seus destinos estão ligados ao nosso destino, e que sua liberdade está intrinsecamente ligada à nossa liberdade.

Não podemos caminhar sozinhos. À medida que caminhamos, devemos assumir o compromisso de marcharmos em frente. Não podemos retroceder. Há quem pergunte aos defensores dos direitos civis: "Quando é que ficarão satisfeitos?" Não estaremos satisfeitos enquanto o Negro for vítima dos incontáveis horrores  da brutalidade policial. Não poderemos estar satisfeitos enquanto os nossos corpos, cansados das fadigas da viagem, não conseguirem ter acesso a um lugar de descanso nos motéis das estradas e nos hotéis das cidades. Não poderemos estar satisfeitos enquanto a mobilidade fundamental do Negro for passar de um gueto pequeno para um maior. Nunca poderemos estar satisfeitos enquanto um Negro no Mississipi não puder votar e um Negro em Nova Iorque achar que não há nada pelo qual valha a pena votar. Não, não, não estamos satisfeitos, e só ficaremos satisfeitos quando a justiça correr como a água e a rectidão como uma poderosa corrente.

Sei muito bem que alguns de vocês chegaram aqui após muitas dificuldades e tribulações. Alguns de vocês saíram recentemente de pequenas celas de prisão. Alguns de vocês vieram de áreas onde a busca de liberdade vos deixou marcas provocadas pelas tempestades da perseguição e sofrimentos provocados pelos ventos da brutalidade policial. Vocês são veteranos do sofrimento criativo. Continuem a trabalhar com a fé em que um sofrimento injusto é redentor.

Voltem para o Mississipi, voltem para o Alabama, voltem para a Carolina do Sul, voltem para a Geórgia, voltem para a Luisiana, voltem para as bairros de lata e para os guetos das nossas modernas cidades, sabendo que, de alguma forma, esta situação pode e será alterada. Não nos afundemos  no vale do desespero.

Digo-vos, hoje, meus amigos, que apesar das dificuldades e frustrações do momento, ainda tenho um sonho. É um sonho profundamente enraizado no sonho americano.

Tenho um sonho, que um dia esta nação levantar-se-á e viverá o verdadeiro significado da sua crença: "Consideramos estas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais".

Tenho um sonho, que um dia nas montanhas rubras da Geórgia os filhos de antigos escravos e os filhos de antigos proprietários de escravos poderão sentar-se à mesa da fraternidade.

Tenho um sonho, que um dia o estado do Mississipi, um estado deserto, sufocado pelo calor da injustiça e da opressão, será transformado num oásis de liberdade e justiça.

Tenho um sonho, que os meus quatro filhos pequenos viverão um dia numa nação onde não serão julgados pela cor da sua pele, mas pela qualidade do seu caráter.

Tenho um sonho, hoje.

Tenho um sonho, que um dia o estado de Alabama, cujo governador actualmente  pronuncia palavras de recusa, seja transformado de forma a que pequenos rapazes  negros, e raparigas negras, possam dar-se as mãos com outros pequenos rapazes brancos, e raparigas brancas, caminhando juntos, lado a lado, como irmãos e irmãs.

Tenho um sonho, hoje.

Tenho um sonho, que um dia todo os vales serão elevados, todas as montanhas e encostas serão  niveladas, os lugares ásperos serão polidos, e os lugares tortuosos serão endireitados, e a glória do Senhor será revelada, e todos os seres a verão, conjuntamente.

Esta é nossa esperança. Esta é a fé com a qual regresso ao Sul. Com esta fé seremos capazes de retirar da montanha do desespero uma pedra de esperança. Com esta fé poderemos transformar as dissonantes discórdias de nossa nação numa bonita e harmoniosa sinfonia de fraternidade. Com esta fé poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, ir para a prisão juntos, ficarmos juntos em posição de sentido pela liberdade, sabendo que um dia seremos livres.

Esse será o dia em que todos os filhos de Deus poderão cantar com um novo significado: "O meu país é teu, doce terra de liberdade, de ti eu canto. Terra onde morreram os meus pais, terra do orgulho dos peregrinos, que de cada localidade ressoe a liberdade".

E se a América quiser ser uma grande nação isto tem que se tornar realidade. Que a liberdade ressoe então dos prodigiosos cabeços do Novo Hampshire. Que a liberdade ressoe das poderosas montanhas de Nova Iorque. Que a liberdade ressoe dos elevados Alleghenies da Pensilvania!

Que a liberdade ressoe dos cumes cobertos de neve das montanhas Rochosas do Colorado!

Que a liberdade ressoe dos picos curvos da Califórnia!

Mas não só isso; que a liberdade ressoe da Montanha de Pedra da Geórgia!

Que a liberdade ressoe da Montanha Lookout do Tennessee!

Que a liberdade ressoe de cada Montanha e de cada pequena elevação do Mississipi.

Que de cada localidade, a liberdade ressoe.

Quando permitirmos que a liberdade ressoe, quando a deixarmos ressoar em cada vila e em cada aldeia, em cada estado e em cada cidade, seremos capazes de apressar o dia em que todos os filhos de Deus, negros e brancos, judeus e gentios, protestantes e católicos, poderão dar-se as mãos e cantar as palavras da antiga canção negra: "Liberdade finalmente! Liberdade finalmente! Louvado seja Deus, Todo Poderoso, estamos livres, finalmente!"


(Versão Original)

Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of captivity. But one hundred years later, we must face the tragic fact that the Negro is still not free.

One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languishing in the corners of American society and finds himself an exile in his own land.

So we have come here today to dramatize an appalling condition. In a sense we have come to our nation's capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir.

This note was a promise that all men would be guaranteed the inalienable rights of life, liberty, and the pursuit of happiness. It is obvious today that America has defaulted on this promissory note insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check which has come back marked "insufficient funds." But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation.

So we have come to cash this check -- a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice. We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to open the doors of opportunity to all of God's children. Now is the time to lift our nation from the quicksands of racial injustice to the solid rock of brotherhood.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment and to underestimate the determination of the Negro. This sweltering summer of the Negro's legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. Those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. There will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights.

The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges. But there is something that I must say to my people who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice. In the process of gaining our rightful place we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred.

We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. we must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force.

The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny and their freedom is inextricably bound to our freedom.

We cannot walk alone. And as we walk, we must make the pledge that we shall march ahead. We cannot turn back. There are those who are asking the devotees of civil rights, "When will you be satisfied?" we can never be satisfied as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the Negro's basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until justice rolls down like waters and righteousness like a mighty stream.

I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow cells. Some of you have come from areas where your quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive.

Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed. Let us not wallow in the valley of despair.

I say to you today, my friends, that in spite of the difficulties and frustrations of the moment, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.

I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: "We hold these truths to be self-evident: that all men are created equal."

I have a dream that one day on the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slaveowners will be able to sit down together at a table of brotherhood.

I have a dream that one day even the state of Mississippi, a desert state, sweltering with the heat of injustice and oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.

I have a dream that my four children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.

I have a dream today.

I have a dream that one day the state of Alabama, whose governor's lips are presently dripping with the words of interposition and nullification, will be transformed into a situation where little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls and walk together as sisters and brothers.

I have a dream today.

I have a dream that one day every valley shall be exalted, every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight, and the glory of the Lord shall be revealed, and all flesh shall see it together.

This is our hope. This is the faith with which I return to the South. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.

This will be the day when all of God's children will be able to sing with a new meaning, "My country, 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my fathers died, land of the pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring."

And if America is to be a great nation, this must become true. So let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York. Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania!

Let freedom ring from the snowcapped Rockies of Colorado!

Let freedom ring from the curvaceous peaks of California!

But not only that; let freedom ring from Stone Mountain of Georgia!

Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee!

Let freedom ring from every hill and every molehill of Mississippi.

From every mountainside, let freedom ring.

When we let freedom ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual, "Free at last! free at last! thank God Almighty, we are free at last!"


Martin Luther King en Memorial Park, Washington (1963). 

Fonte da adaptação do discurso:  http://www.arqnet.pt/portal/discursos/agosto05.html

domingo, 31 de dezembro de 2017

Passagem de ano

É a surpresa a envolver cada amanhã,
como novelo embrulhado pelo tempo,
que nos atrai para novas marés de sonhos
e renovados desejos desde sempre bordados
com mãos-cheias de boas intenções.
Contam-se os dias para o final de cada ano
com a ansiedade de quem quer saltar
fronteiras e do lado de lá descobrir
um mundo melhor, num ímpeto de boa vontade.
Como crianças grandes queremos sempre
mais amor, saúde, paz, prosperidade, justiça, sucesso
e sempre tudo envolvido em muita felicidade,
imensa alegria, intenso júbilo e infinitas bênçãos.
No final tudo se repete num
circular eterno retorno. Um ano acaba
e, um segundo depois, outro começa ―alheio
à velha sabedoria do que atrás fica ―
audaz e quase pueril na incontida ânsia
de tudo fazer melhor, sem repetir erros.
Por isso Te peço a radiosa Esperança
de acreditar que tudo é possível,
mesmo quando o negrume dos dias
parece uma estrada sem fim.
Peço-Te ainda forças para suportar
tudo o que tiver de sofrer,
sem desesperar.
Dá-nos o sol dos tempos benditos
e que nós saibamos aproveitá-lo
para criar o alimento dos dias futuros,
para nos darmos as mãos fraternamente,
e amarmos sempre como quem ama
pela primeira e única vez.
...
Maria Teresa Sampaio
Picasso. Pomba da Paz.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

É Natal!

Amor, Amor imenso, profundo Amor.
Amor que é dádiva, Amor que é gratidão,
Amor solidário, responsável, companheiro, amigo.
Amor abnegado, que protege, que acompanha, que apoia,
Amor presente, que assiste, que ajuda, que ampara.
Alegria imensa, profunda. Radiosa Alegria.
O Natal é este Amor, esta Alegria.
É o nascimento de Jesus Menino.
É essa centelha de Luz e de Amor
que deixou em cada um de nós,
que vemos brilhar como a estrela do norte
no olhar puro e inocente das crianças.
São tréguas que se abrem entre
aqueles que contendem.
É Esperança radiosa como flor 
que desabrocha no meio de pedras.

É Natal!

Feliz Natal.
….
  
19 de dezembro de 2017

Maria Teresa Sampaio


 Gerard van Honthorst, Adoração dos Pastores, 1622


segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

A vida não é a preto e branco

Sim, eu sei, a vida dói. Há momentos que quase nos arrastam para o abismo. Há horas em que nos sentimos fechados num quarto escuro ou numa cela de onde não conseguimos sair. Há dias com tantas nuvens que não enxergamos o sol. Falo do sol, não apenas astro, mas também luz, energia, esperança. Se não o temos dentro de nós como bússola, corremos o risco de nos perder. Pode ser apenas um ténue raio, mas esse mesmo tem um intenso poder clarificador. Podemos crer ou descrer. Olhar de frente ou virar a cara para não ver a miséria, as injustiças, os males que corroem o mundo em que vivemos. Temos essa liberdade de escolha. Mas se optarmos por não nos envolver, e se nada fizermos, somos responsáveis pelo estado da sociedade que deixamos aos nossos filhos e netos. Somos o exemplo não apenas do que pensamos, mas também do que fazemos. Por isso, somos o resultado das nossas escolhas. Não escolher é já escolher. Deixar correr sem nos envolvermos, por comodidade ou cobardia, também é uma opção. Não ligar à política é uma forma de ser político, mas absentista. Não dar nada aos outros, sejam eles da família, amigos ou estranhos, é o mais nefando egoísmo. Enfim. A vida não é a preto e branco. Existem cambiantes. De um lado não está o bem e do outro o mal, ou os bons e os maus como os americanos tanto gostam de simplificar. O que fizermos agora tem implicações amanhã. É preciso que nos consciencializemos dos nossos atos e omissões. A liberdade não é um estado puro, sem quaisquer condicionalismos.
Ser Livre custa. Mas vale a pena.
10 de dezembro de 2017 
Maria Teresa Sampaio
L'enfant au pigeon. Pablo Picasso
De felicidade, de imensa alegria, de incontida emoção se fazem certos dias.
São momentos que se vivem intensamente como eu sempre gostei de viver.
O amor realiza maravilhas, suaviza as dores, faz despontar sorrisos que se abrem em gargalhadas, lágrimas que adoçam os traços do rosto. As surpresas não perdem o efeito mágico mesmo que alguém inadvertidamente deixe escapar uma palavra reveladora.
A família é esta raiz que cresce e se fortalece bem fundo, no ventre ou na terra, para depois se transmutar nas flores e nos frutos que são os filhos e os netos. A casa é mais do que estas paredes que me abrigam. É a verdadeira essência do Lar e quando os meu filhos e as minhas netas me rodeiam de tanto carinho, da profunda dádiva que nasce, num caso particular, do sacrifício pessoal, eu apenas posso e sei sentir-me imensamente feliz e grata. O riso e as lágrimas são como as cores do arco-íris, porque eu tenho o sol, as estrelas e o luar dentro de mim.
...
3 de dezembro de 2017
Maria Teresa Sampaio